sábado, junho 28, 2008

mar nosso

Quando pensei em nós,
as lembranças boas invadiram o meu sonhar.
Quando pensei em ti,
sobrou um resto de nada em mim.
Porque me deixas assim tão solta ,
em meu vagar,
tão alentada da tua esperança. . .
na espectativa que me prendas um dia,
que me abraces,
como se me tivesses perdido e reencontrado.
Deixas-me à deriva,
quando sabes ser o meu porto seguro,
vagueio nesta maré,
esperando que apanhes uma onda minha.
Experimenta esta espuma,
cristalina em mim,
e vem ao meu encontro.

7 comentários:

ROSA E OLIVIER disse...

"E'l naufragar m'è dolce in questo mare."...!?...

Ciao e un caro saluto!

LEEH disse...

fipa, fipa
versos marcantes
ao mesmo tempo que mostra a dor, a saudade, o sofrimento..mostra a beleza de um sentimento puro
lindo!
és minha parada obrigatória há algum tempo

beijo grande!
leeh.

Joanne disse...

pra frente e para tras...para a frente e para trás....como as ondas do mar.

Ana Si disse...

gostei muito ... Percebo tão bem o que descreves ... acho que me sinto exactamente assim neste momento!

Filipa Epifânio disse...

Cristalino como a água do mar*

Paulo Moniz disse...

...mare nostrum... tão pequeno, tão belo; just keep swimming *

m@tix disse...

Cada vez melhor, na construção nas metáforas sempres a subir de nível...
Quando sentidos os poemas espelham-nos melhor...
Parabéns ;)